Se as mulheres tenhem país...

Foto roubada da rede

Por Susana Sánchez Aríns

De as mulheres termos país, existiriam leis que nos protegessem, educação que nos libertasse, estimação que nos figesse felizes. Porém, vista a realidade que nos envolve, é provável que este não seja país para mulheres.

Esta é a reflexão de Mary Wollstonecraft na sua novela Maria. Cumpre com ela uma necessidade perentória: oferecer às mulheres que serão uma experiência que a ela nenguma outra lhe legou. Não porque conhecimentos coma os dela não os tenha havido ou não os houvera no seu tempo, mas porque as canles de comunicação entre mulheres estavam cegadas pola lama da dominação patriarcal.

Mary Wollstonecraft foi atacada polo mesmo vírus que tem infectado outras mulheres: a urgência de evitar-lhe a uma futurível filha a cegueira própria, exercer a sororidade antes que a maternidade.

Na novela, a protagonista homônima convida às leitoras a conhecer as circunstâncias que figeram acabar a sua vida como louca num manicómio. Porém, há uma narratária concreta: a filha sequestrada polo pãe. A autora, para estender o abano social (Maria é de classe acomodada vinda a menos) dá oportunidade a outras vozes, mulheres com as que a protagonista encontra nas suas peripécias, de elas contar as suas diversas e tão parecidas circunstâncias.

Entre uma e outras desvendam, para aquelas que hão (havemos) de vir, a realidade do mundo:
Com a escusa de proteger a moral, a sociedade, a família, a tradição, o país e mesmo as mulheres, as leis estão construídas para garantir a tirania do homem sobre a mulher, considerada ser inferior. A única maneira de Maria evitar a sua indigna situação familiar é casar; casa pensando que escapa e entra numa maior prisão, da que só pode fugir afundindo a sua honra na lama. Ai, filha, a mim ninguém me contou que o matrimónio é uma armadilha!

E, mão a mão com as leis, a mã educação. Mulheres aprendidas a não fazer nada, a calar e obedecer, a ser ignorantes e parecer bobas de ser inteligentes. Mulheres incapazes de gestionar a sua própria vida e a sua independência. Virginia Woolf leu esta novelinha quando escreveu sobre a irmã de Shakespeare. Seguro. Ai, minha meninha, não temas os teus pensamentos!

As mulheres não deixam de ser escravas submetidas a um amo, que pode ser tirano, que pode ser paternalista, que pode ser mesmo afável, mas que não deixa de ser amo. A diferência entre umas mulheres e outras é a sua escravitude ser privada (propriedade de um marido atravês do matrimónio) ou pública (prostituídas para gozo de maridos -e outros- fora do matrimónio). Ai, minha prenda, não consintas ser a leira de outro!

A violência como continuum vital para a maioria da povoação feminina. Pode ficar (?) no simple desprezo, como no caso de Maria, ou pode chegar à cousificação mais besta, como no caso de Jeminna. Mas quase todas as mulheres que transitam pola novela, recebem como pílula no seu tratamento diário, condescendência, engano, isolamento, desgabo, crueldade, maledicência, abandono. É simples, corujinha, quem bem te quer, não pode fazer-te chorar!

A maternidade como arma de opressão. Punhalada que amarra esposas a matrimónios amanhados, cuitelada na que os homens decidem se querem ou não responsabilizar-se, em que medida, e como. A serventa expulsada por prenhar após ser forçada polo senhor da casa; as filhas ilegítimas levadas para amas de cria; as apócemas abortivas ingeridas à força por meninhas assustadas. Ai, minha rosa, só a mulher pode decidir sobre o seu corpo, que ela vai suportar toda a responsabilidade!

E a loucura. Porque esquecemos muitas vezes a educação sentimental que levamos séculos a receber: a diferente é uma frígida, é uma histérica, está tola, é uma doida. Ai, minha garavança, não és louca por acreditar na tua dignidade!

Todo isto e mais reflicte Mary Wollstonecraft em Maria, escrita com a declarada intenção de denunciar a situação das mulheres na sociedade inglesa do XVIII.

Pode ser que as cousas tenham melhorado desde 1798 em que a obra foi publicada. Porém, leio a proposta de penalização do aborto, ultrajantemente titulada Ley de Protección de la Vida del Concebido y de los Derechos de la Mujer Embarazada, e como Mary Wollstonecraft há 200 anos, pergunto-me se as mulheres teremos país.

Mary Wollstonecraft: Maria. Ou os males da muller.
Tradução de Mª Fe González Fernández.
Hugin e Munin, Compostela 2013




Se as mulheres tenhem país... Se as mulheres tenhem país... Reviewed by Unknown on 15:53:00 Rating: 5

3 comentarios:

  1. Pois digo-te que não temos. Que em qualquer momento podemos ser apedrejadas, traídas, queimadas, espancadas de muitas maneiras e modos, dos que deixam marca invisível e dos correntes. Podem ser os teus companheiros de aventuras. Podem ser até os teus irmãos. A irmandade não existe. E não existem os amigos. Sempre acabam pondo por diante o seu: a sua leira, o seu umbigo, as suas ambições, o seu machismo, os seus punhos. E também há mulheres que os seguem e os imitam. Essas, minha cara, são as que mais tristeza me põem. Não há país para as mulheres que não querem ser homens. Não temos país. Haverá que o construir.

    ResponderEliminar
  2. Este comentario foi eliminado polo autor.

    ResponderEliminar

Con tecnoloxía de Blogger.